Fonoaudiólogo minimiza risco de pneumonias aspirativas

Por Instituto la via

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fonoaudiólogo minimiza risco de pneumonias aspirativas

Profissional ganha cada vez mais espaço em UTIs e em equipes multidisciplinares, reduzindo custos hospitalares

 

Com novas resoluções e diretrizes para composição da equipe multiprofissional nas unidades hospitalares para cuidar de pacientes em estado crítico, o fonoaudiólogo saiu da clínica e ganhou papel importante em hospitais pelo Brasil nos últimos dez anos. O objetivo principal da assistência desses profissionais é prevenir e reduzir complicações, a partir do gerenciamento da disfagia, a fim de proporcionar o retorno seguro da alimentação por via oral. Estabelecer o diagnóstico é fundamental para guiar o gerenciamento do distúrbio e a redução da mortalidade e morbidade a ele associado, assim como propiciar uma melhora na qualidade de vida dos pacientes.

Para que esse atendimento multidisciplinar ocorra a contento, é essencial que todos os profissionais envolvidos compreendem o papel de cada um no processo e sejam capazes de se comunicar bem em prol da segurança do paciente. Em entrevista exclusiva ao ISBP, Gisele C. Medeiros, Doutora em Ciências da Reabilitação pela FMUSP e Professora do Curso de Fonoaudiologia da FMUSP, dá mais detalhes sobre o trabalho desses profissionais no ambiente hospitalar. Confira:

IBSP – Como o fonoaudiólogo está ligado à segurança do paciente?
Gisele Medeiros – No contexto hospitalar, o fonoaudiólogo está inserido principalmente no gerenciamento da disfagia, prevenindo e reduzindo os riscos de broncoaspiração relacionadas com as alterações de deglutição. Desta forma, favorecendo o retorno seguro da via oral da alimentação. É partir da avaliação fonoaudiológica que conseguimos determinar a presença da disfagia e as consistências alimentares adequadas, assim como estratégias que otimizam a função da deglutição. Com o retorno da alimentação por via oral de forma precoce e segura, a assistência fonoaudiológica contribui para a indicação multidisciplinar da retirada de vias alternativas de alimentação.

IBSP – Qual a importância desse profissional na rotina de um hospital? E como deve ser a relação entre médicos e fonoaudiólogos?
Gisele – A relação entre esses profissionais deve ocorrer de uma forma multidisciplinar. É preciso que as duas áreas se conheçam para que haja encaminhamento dos pacientes que pertencem a um grupo de risco para a disfagia de forma precoce. Assim como no momento oportuno para a avaliação fonoaudiológica de um paciente crítico.

A sistematização e o gerenciamento das rotinas e processos são as principais ações para o trabalho fonoaudiológico dentro da equipe multidisciplinar, o que garante o fluxo de pacientes para a avaliação fonoaudiológica. É essencial por parte dos profissionais maior esforço para identificar, organizar, sistematizar e operacionalizar os procedimentos e metas dos programas de reabilitação, a fim de melhorar a prática no ambiente hospitalar e a relação com a equipe multidisciplinar.

Estabelecer preditores de risco para a broncoaspiração em pacientes críticos com base em indicadores clínicos permite um melhor fluxo de encaminhamentos. O estabelecimento de indicadores de priorização de atendimento fonoaudiológico de pacientes críticos e de risco para broncoaspiração é primordial para a redução dos custos hospitalares, otimização das avaliações fonoaudiológicas em beira de leito e retorno seguro e precoce para a alimentação por via oral.

IBSP – Quais são os maiores desafios que o fonoaudiólogo enfrenta nos hospitais na prática de suas atividades? Por quê?
Gisele – Vemos uma alta demanda de pacientes para um número reduzido de profissionais contratos. Com as novas resoluções de inclusão do fonoaudiólogo nas equipes multiprofissionais e com os avanços científicos na área, essa necessidade tem aumentado consideravelmente.

A obrigação de profissional especializado na área também é um grande desafio, pensando num grande centro como São Paulo. O que ocorre em maiores proporções em outras regiões do Brasil.

 

Fonte: https://www.segurancadopaciente.com.br/central_conteudo/fonoaudiologo-minimiza-risco-de-pneumonias-aspirativas/?fbclid=IwAR1IHNCCKxxxnGP6HorsmMBNP4vPRFY3MosYEqU7PGKBV_LhEDUFPsqP7wA

Acesso em: 20/08/2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *